(Responder sim a esta pergunta é fundamental para o sucesso, mas o sim é sincero?) 

Em nossa vida acadêmica temos trabalhado intensamente este aspecto, a Motivação. 

Há um consenso indiscutível de que esse fator é de crucial importância tanto para a empresa quanto para os funcionários. Embora não seja um fator mensurável ele pode ser observado nas atitudes e disposição do funcionário, bem como quando revela suas expectativas e necessidades ao assumir um vínculo de trabalho com a empresa.

Desde a década de 1940, já no século passado, diversas teorias sobre o fator Motivação vieram colaborar com os esforços das empresas em obter o melhor de seu corpo funcional. Mas se desejavam melhorar a produtividade, também entendiam que o funcionário precisava estar satisfeito, deveria haver uma contrapartida verdadeira.

Abraham Maslow sistematizou o assunto de uma maneira tão clara que sua teoria foi referência e até hoje, muito ainda aproveitamos para auxiliar empresas e pessoas a entender e gerenciar melhor os aspectos humanos da Administração.

Hersey e Blanchard, autores que desenvolveram a Teoria da Liderança Situacional aplicaram com brilhantismo a teoria de Maslow, explicando que um referencial importante para liderar adequadamente cada indivíduo é conhecer seu nível motivacional mais intenso numa determinada situação, pois concordavam com Maslow que essa necessidade moveria a pessoa à busca de sua satisfação.

O conceito básico de Maslow sobre o assunto já estabelecia que a Motivação é uma:

 

“Necessidade interna que move o indivíduo à ação, na busca da satisfação dessa necessidade.”

 

Veja a importância da exata compreensão deste conceito:

A – A motivação é interna, inerente ao indivíduo. É uma necessidade real que ele possui; se não possuí-la não há motivação. Por conta desse aspecto, os autores vêm questionando a expressão; “Motivar alguém a…” Se é interna e inerente, ninguém poderá colocar qualquer necessidade em ninguém, mas somente suscitá-la, mostrar à pessoa ou ajudá-la a perceber que possui determinada necessidade e ajudá-la a atendê-la com os recursos disponíveis.

B – O segundo aspecto do conceito de Maslow é o de que é sua necessidade que o move à ação na busca de satisfazê-la (É o motivo para a ação, por isso motivo + ação).

C – Embora seja interna ao indivíduo, a motivação sofre a interferência das circunstâncias externas, podendo variar de acordo com:

  • Direção
  • Intensidade
  • Persistência

 

1 – Entendendo o aspecto da Direção: 

Quando a necessidade se manifesta no indivíduo ele atua na direção de coisas, ou pessoas que poderão satisfazê-lo.

Porém, os autores que estudaram esse conceito são unânimes em entender que as ações na busca de satisfazer necessidades podem ser atendidas suficientemente ou frustradas. Nesse caso, o indivíduo pode redirecionar suas ações a outra coisa ou pessoa que possa atendê-la.

2 – Entendendo o aspecto Intensidade:

Esse aspecto se refere à força ou à magnitude de sua ação, que varia, obviamente com seu grau de necessidade. Caso a intensidade não seja muito forte, após poucas tentativas a pessoa pode mudar seu foco e partir para outro tipo de necessidade, até que a necessidade frustrada atinja um nível suficiente para retornar a impulsioná-lo na busca de satisfação.

3 – Entendendo o aspecto Persistência:

Esse aspecto também está intimamente ligado à Intensidade. Dependendo da força da motivação, a pessoa não desistirá tão fácil de atendê-la e persistirá na sua busca.

Lembramos aqui um assunto de que já tratamos anteriormente que é o autoconhecimento. Isso mesmo, conhecer suas necessidades e interesses pessoais, faz parte disso. 

Se sua necessidade é muito forte com relação ao salário oferecido, porque esteve desempregado há muito tempo e está descapitalizado, você poderá não estar motivado ao tipo de trabalho exigido pela vaga (sejam esforços físicos elevados, turnos de trabalho extensos, cálculos, complexos, digitação etc…), mas, o aceita provisoriamente. Porém, essa situação pode incomodá-lo rapidamente deixando-o frustrado por possuir outros tipos de necessidades que foram ignorados no ato da admissão pela urgência financeira. 

É preciso ter a objetividade necessária para escolher a vaga que irá melhor atendê-lo também no médio e longo prazos.

 

Maslow representou sua teoria numa pirâmide:

Maslow

Pirâmide de Maslow

A teoria da motivação de Maslow explica que temos dois tipos de necessidades, as físicas e as psicológicas.

Dentro dessa divisão, Maslow hierarquizou-as em  cinco níveis de necessidades:

  • as necessidades fisiológicas,
  • as necessidades de segurança, 
  • as necessidades sociais, 
  • as necessidades de estima e 
  • as necessidades de auto realização.

 


Se você hoje está 

  1. sem se alimentar por falta de tempo ou de dinheiro, muito cansado, sem dormir bem, obviamente a necessidade que mais irá pressioná-lo à satisfação está localizada na base, uma necessidade fisiológica; 
  2. se se sente inseguro porque precisa circular por locais perigosos, ou acha que nosso contexto socioeconômico vai mal e irá impactar demais nossa vida, terá forte necessidade de segurança; 
  3. se sente necessidade de atenção, afeto ou mais amigos, sua necessidade social está em alta; 
  4. se precisa constantemente de elogios, reconhecimento por coisas que diz ou faz, sua necessidade de estima está elevada. 
  5. Por fim, se sente que precisa evoluir, desenvolvendo-se e atingir níveis de comando e status, liberdade decisória etc. está com alta necessidade de auto realização.

Talvez essa teoria não esteja muito clara para você ainda, mas existe muita literatura para conhecê-la melhor. Por ora, o que se pretende é que você, estagiário ou candidato tenha mais clareza sobre o que lhe motivou a escolher o curso que está fazendo, que necessidade pretendia atender quando o escolheu? Um bom salário? Reconhecimento? A oportunidade de conviver com pessoas competentes nessa área? A possibilidade de ser reconhecido, ganhar prêmios, ajudar a humanidade? Ter a chance de evoluir constantemente?

Lembre-se também, numa entrevista de seleção, o foco de suas perguntas revelará sua motivação momentânea, por exemplo, fazer perguntas somente relativas aos níveis de necessidade fisiológica ou de segurança, como:

“– A empresa tem restaurante ou dá vale-refeição; Dá vale-transporte ou oferece transporte para os funcionários?; Tem plano de saúde e odontológico?; Qual a jornada de trabalho diária?; Quanto tempo dura o intervalo para o almoço?”;

“– Os funcionários têm apoio dos chefes nas dificuldades?”; 

Todas essas perguntas são absolutamente lícitas, mas se você só permanecer sobre elas, qual a mensagem motivacional você estará passando? 

 

Necessidades básicas, fisiológicas, de segurança, necessidade de supervisão contínua ou ausência de iniciativa.

Esse foco implícito nas perguntas revelará sua “maturidade profissional”, no que se refere ao contexto organizacional, sobre a empresa. Veja, suas perguntas poderão começar por:

“– A empresa tem Plano de Carreira?”

“– Qual é a posição da empresa no ranking da concorrência local e nacional?”

“– Esta empresa tem Programas de Responsabilidade social?”

“– Esta empresa tem Programas de Participação nos Resultados (PLR)?”

 “– Pode me falar um pouco sobre sua cultura, valores e costumes?”

Como lhe parece a diferença entre esses dois tipos de pergunta? Podemos perceber que o segundo conjunto amplia os níveis de necessidades dando ao candidato um perfil mais preparado, com visão estratégica e muito mais profissional. Vale lembrar, que algumas dessas perguntas você poderá obter na sua pesquisa de preparação ao processo seletivo. A internet é excelente ferramenta para ajudá-lo nisso. Assim, ao invés de apenas perguntar, você pode comentar sobre as informações obtidas conferindo se aquelas informações ainda permanecem iguais ou já houve alguma mudança.

Que imagem você deseja passar nos processos seletivos de que participar? A de uma pessoa que simplesmente deseja resolver seus problemas imediatos, ou quer mostrar que tem interesse pela empresa que o empregará, identificando os pontos onde agregará mais valor (o que, justificaria sua contratação, mesmo que não tenha tanta experiência prática, por exemplo). 

Seu nível motivacional diz muito sobre você. Seja sempre sincero; todas as necessidades humanas são lícitas, há outros fatores que podem ajudar na construção de sua imagem. Ainda que esteja passando por um momento pessoal difícil, o selecionador pode perceber competências e características que poderão justificar sua contratação. Ele sabe que as necessidades são cíclicas, como explicou Abraham Maslow, e, uma vez empregado,  suas necessidades básicas poderão ser rapidamente atendidas, dando espaço a outros níveis mais elevados e alinhados ao papel profissional que irá desempenhar.

 

Autor: O professor Fabricio é Psicólogo, com especialização em Gestão de Pessoas, Psicodramatista e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura.