Como resolver?

Em nossa série de artigos sobre Estágio Curricular, temos discutido aspectos relevantes para um bom e produtivo relacionamento entre o estagiário e a empresa que o contratou. Parâmetros importantes como legislação, cultura da organização contratante, Planos de estágio consistentes, preparo do supervisor de estágio, etc. são, talvez, os principais, e oportunamente abordaremos outros tantos.

Já discutimos sobre uma impropriedade cometida em algumas situações que seria o “desvio de função” em que alguns supervisores colocam o estagiário quando lhes atribuem tarefas desconectadas de sua área de estudo.

Piadas como servir cafezinho, buscar lanches para outros funcionários, e outras tantas infelizmente não são só piadas e ocorrem ainda em muitos lugares. O estagiário acaba sendo tratado como “mão de obra barata” e, portanto, os outros acreditam que podem usá-lo como “apoio operacional”, ou como se diz na gíria “pau pra toda obra”.

Mas o oposto também pode ocorrer em situações onde o estagiário é levado a exercer funções para as quais não está apto a realizar. Essa situação na maioria das vezes induz o estagiário ao erro, podendo colocá-lo em situação de ansiedade o que pode provocar-lhe estresse e diversos problemas de desempenho. 

Há também situações em que é levado a assumir tarefas que não estão relacionadas à sua área de estudo.

Costuma-se usar em educação a expressão “engenharia de conteúdo”, ou seja, os vários conteúdos que precisam ser aprendidos devem observar uma sequência lógica no programa, ou seja, existem conteúdos que são pré-requisito de outro, por isso precisam respeitar a relação de base para outro aprendizado. Um exemplo clássico sobre isso, e que pode ajudar a entender bem esse preceito é a aritmética. Para aprender as operações de multiplicação e divisão, o aprendiz precisa, antes, aprender soma e subtração.

Assim o Plano de Estágio precisa ser elaborado levando-se em conta dois aspectos fundamentais além de outros:

  • O primeiro critério é a definição dos conteúdos necessários para o desenvolvimento do estagiário nas tarefas correlatas à sua área de formação. 
  • O segundo critério é que esses conteúdos sejam sequenciados de acordo com sua complexidade e interdependência. 

Definindo-se essa sequência lógica o aprendizado ocorrerá como uma construção, onde se constrói inicialmente o “alicerce”, as “paredes” e assim por diante até chegar ao “teto”, quando se espera que os conteúdos essenciais tenham sido aprendidos.

 

Como lidar com problemas no estágio

Uma medida muito importante é a presença de um supervisor que cuidará desse jovem em sua rotina dentro da empresa; apoiando, treinando, orientando, aconselhando e inclusive, controlando o dia-a-dia do estagiário.

Critério importante é também o dimensionamento do volume de tarefas atribuídas ao estagiário, evitando-se sobrecarga de funções que pode causar uma série de problemas tanto para o aluno quanto para a empresa. O trabalho excessivo pode causar desgaste emocional, propiciando oportunidade de ocorrer falhas. 

Alguns locais costumam tratar o estagiário como “auxiliar” de funcionários experientes na realização de serviços que não lhe competem. É importante que ele aprenda como se fosse o titular da função. 

Delegar-lhe responsabilidade quando não está preparado também pode quebrar vínculos de confiança, pois o estagiário poderá sentir-se abandonado.

Mesmo que o erro tenha sido cometido pelo estagiário, é importante mostrar-lhe com clareza o que ocorreu, as consequências que eventualmente o erro causou e orientá-lo como evitar os mesmos erros no futuro.

A melhor postura nesses casos é tirar o foco do erro, não adotar a aplicação de punições e orientá-lo e acompanhá-lo na busca de soluções para o caso.

 

Como o estagiário deve proceder diante de problemas

Na medida em que haja um vínculo de confiança entre o estagiário e seu supervisor, diante de cada impasse em sua rotina, o estagiário deve buscar o apoio e a orientação com seu supervisor na empresa. 

Apresente ao supervisor seu problema e peça ajuda e orientação. O estagiário pode também recorrer ao supervisor de estágio de sua instituição de ensino, relatando-lhe que também está sendo orientado pelo supervisor dentro da empresa. Assim pode evitar direções conflitantes, pois sempre haverá visões diferentes do mesmo problema.

É uma prática bastante produtiva que o estagiário esteja muito atento procurando manter um controle de seu tempo com o auxílio de agenda e anotações que o ajudem a lembrar das informações relevantes para seu trabalho

O estagiário vai poder errar, até uma certa medida, por ser estagiário, mas antes de tudo deve ser responsável pelo que faz, rotinas, atitudes etc.

Por vezes, por ocorrer uma remuneração menor e funcionar em carga horária reduzida, pode-se pensar que o estágio é um vínculo menos importante do que um emprego registrado.

É importante entender que o compromisso com a empresa deve ser igual, apesar dos diferentes vínculos. O estagiário jamais deverá proteger-se com desculpas como “Eu sou só o estagiário”

Aliás, nossa experiência nos mostrou vários comportamentos inadequados, que o estagiário deverá evitar:

1 – Acomodação: Seja proativo, mostre iniciativa e não espere que lhe digam o que fazer em cada momento, se não tiver clareza, pergunte, a acomodação é um comportamento muito inadequado para quem está chegando. Mais do que isso na medida em que se inteirar das coisas no ambiente, observe se há possibilidades de melhoria e apresente sugestões e mostre-se disponível;

2 – Focar só no problema: Seria uma atitude muito bem vista se, ao levar um problema ao superior, na medida do possível, levar também uma ou duas alternativas de solução. Focar o problema somente pode revelar falta de compromisso com a tarefa.

3 – Manter-se distante do supervisor para não mostrar dificuldades; essa situação faz parte do processo de desenvolvimento;

A proximidade poderá ajudá-lo no relacionamento com o superior, mas, cuide sempre de sua postura, apresentação pessoal e aparência.

Essa proximidade se aplica aos demais membros da equipe do setor onde trabalha por razões óbvias. É muito importante manter bom relacionamento geral.

4 – Ficar muito tempo ao celular: O tema relacionamento ainda tem um item que não podemos minimizar. Nosso momento tecnológico nos disponibiliza várias redes sociais e isso caracteriza um recurso extremamente atraente. Mas, cuidado, reserve alguns minutos no seu horário de descanso e refeições para uma “repassada” nelas. Falta de critério no uso de seu celular poderá deixa-lo “por fora” da “dinâmica” que estiver ocorrendo no local, prejudicando sua percepção dos fatos para dar respostas adequadas e pertinentes.

O estagiário é antes de tudo alguém em formação profissional, portanto deve sempre agir de acordo com essa condição.

 

Autor: O professor Fabricio é Psicólogo, com especialização em Gestão de Pessoas, Psicodramatista e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura.