Como podemos entender esse termo? 

“Carreira é a sequência de posições ocupadas e de trabalhos realizados durante a vida de uma pessoa.”

A carreira envolve uma série de etapas e a ocorrência de transições que refletem necessidades, motivos e aspirações individuais e expectativas e imposições da organização e da sociedade. Um profissional pode iniciar uma trajetória dentro de uma área de atuação e após algum tempo descobrir que precisa fazer uma “transição” para outra carreira que atenda melhor suas expectativas e anseios pessoais e profissionais.

Já de início podemos entender que é um assunto que interessa, e muito, aos estagiários. Ousamos dizer, inclusive que interessa especialmente aos estagiários.

Quando falamos em carreira, entendemos que é um programa de interesse mútuo, pois tanto interessa para o estagiário como para a empresa.

  • Da perspectiva do indivíduo, engloba o entendimento a evolução e a avaliação de sua experiência e satisfação profissional; 
  • Enquanto da perspectiva da organização engloba políticas, procedimentos e decisões ligadas a espaços ocupacionais, níveis organizacionais, compensação e movimento das pessoas. 

Estas perspectivas são conciliadas pela carreira dentro de um contexto de constante ajuste, desenvolvimento e mudança.

Na literatura que se refere ao assunto Carreira, é costume denominar esse programa como “Plano de Carreira e Sucessão”, ou seja, o profissional pode definir para si mesmo uma carreira, mas pode também aproveitar as carreiras oferecidas pela empresa, nos programas estabelecidos quando tem a oportunidade de efetivar-se como empregado, e nessa condição, ao adquirir experiência substituir profissionais em movimentação.

O indivíduo faz seu plano e pode conciliá-lo com as necessidades da empresa que pensa antecipadamente na substituição de algum profissional ocupante de posição importante. Dado que tal posição poderá ficar vaga por algum tempo com a saída ou movimentação de seu ocupante a empresa precisa antecipar-se ao problema, pois, a falta de um ocupante nessa vaga por um período extenso pode gerar perdas para a organização.

A carreira profissional é um assunto há muito existente, mas tomou vulto significativo na década de 1990, pois:

  • Empresas e pessoas pensando sobre carreira
  • Produção especializada propiciando: 
  1. escolha de carreira por parte das pessoas, 
  2. mercado de trabalho sofrendo redesenho, 
  3. surgem estratégias de como planejar e negociar a carreira
  4. oportunidades/necessidade de recolocação profissional; 
  5. estímulo e suporte ao autodesenvolvimento, 
  6. estruturação de carreiras, 
  7. acesso democratizado às oportunidades, etc.

Como de costume, toda discussão referente à gestão de empresas, particularmente quando se fala em gestão de pessoas, é feitas inserida num contexto ampliado globalmente, por isso a observância de variáveis como Mercado de Trabalho e Estratégias Organizacionais.

Hoje, no nosso contexto social, muito se tem falado do Marketing Pessoal. Já abordamos a questão da reputação, da imagem que passamos com nosso modo de ser, como nos apresentamos e nos comportamos. Sendo assim, para que possamos ser bem avaliados por quem decide por nossa carreira na empresa ou no mercado em geral o Marketing Pessoal é de fundamental importância.

Assim, não basta sermos competentes e termos a melhor das motivações. Fazemo-nos algumas perguntas:

  • Todos sabem que você tem suas qualidades? Sim ou não?
  • Que tipo de identidade você acha que construiu ao longo de sua carreira? 
  • Como as pessoas o/a enxergam?
  • Essa é a forma como você quer que o/a enxerguem? 
  • Qual é exatamente a visão que você quer que os outros tenham de você?

Ao responder essas perguntas, você já pode ter uma boa noção de como está seu Marketing Pessoal. 

Existe um exemplo clássico no meio acadêmico e empresarial que ilustra de forma curiosa e bem humorada sobre o Marketing Pessoal:

“Quem bota o melhor ovo, mais nutritivo, de melhor qualidade? A galinha ou a pata?

Curiosamente, o ovo da pata é muito mais nutritivo do que o ovo da galinha, mas quem faz barulho, chamando atenção para seu feito? A galinha…”

A mensagem aqui seria o seguinte, se o seu trabalho tem qualidade, e poderia ser comparado ao ovo da pata, divulgue-o adequadamente, “fazendo barulho, como faz a galinha”, especialmente para as pessoas que tem poder decisório sobre sua carreira.

Então, ao estagiário é aconselhável:

1 – Ter claro que carreira pretende seguir. (Visão do futuro de Joel Arthur Barker);

2 – Livre-se de paradigmas que você, atento às novidades, perceber obsoletas;

2 – Defina estratégias de como planejar e negociar a carreira; se possível e oportuno, atrelada à empresa onde estagia. Se precisar peça auxílio ao seu supervisor;

3 – Fique atento às oportunidades;

4 – Não perca de vista seus planos de autodesenvolvimento identificados para a carreira almejada;

5 – Ative seu Marketing Pessoal, mas, cuidado não pareça ufanista exagerando em propagandas pessoais sem critério. Mostre bons resultados, boa vontade, interesse e todas boas qualidades no momento oportuno e para as pessoas interessadas em desenvolvimento.

 

Autor: O professor Fabricio é Psicólogo, com especialização em Gestão de Pessoas, Psicodramatista e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura.